Cedae: diretor financeiro foi condenado pela CVM em escândalo do Banco Econômico

Witzel nomeia ex-assessor de deputado pastor para comandar comissão de privatização da Cedae

Em meio à crise do coronavírus, o governador do Rio, Wilson Witzel, publicou nesta quarta (25) um decreto criando uma comissão para coordenar o processo de privatização da Cedae. Quem irá presidir o colegiado é o advogado Cássio Rodrigues Barreiros. Ele é apadrinhado do ex-deputado federal Ezequiel Teixeira (Podemos), que é pastor da Igreja Projeto Vida Nova, e ficou conhecido por defender a “cura gay”.

De acordo com o decreto, a comissão terá “total acesso a toda e qualquer informação relativa ao processo de desestatização da Cedae”. Além de Cássio, o colegiado ainda terá outros dois membros diretamente ligados ao gabinete do governador: o policial civil Marcio Garcia Liñares, que, em 2018, foi candidato a deputado estadual pelo PSC, e o advogado Márcio Vieira Santos.

Completam a lista o presidente da Cedae, Renato do Espírito Santo; Edmundo José Rodrigues Neto e Tereza Cristina Rodrigues Neto, representantes do Conselho de Administração da empresa; e Sérgio Ricardo Ciavolih Mota, pela Secretaria estadual de Fazenda.

Em caso de ausência de Cássio Rodrigues Barreiros, a comissão será presidida por Marcio Garcia Liñares, que é presidente do Sindicato de Policiais Civis do Estado do Rio.

Função também no Maracanã

A função de coordenar a comissão de privatização da Cedae não é a primeira de relevância de Cássio Rodrigues Barreiros no governo de Wilson Witzel. Conforme o blog mostrou em setembro do ano passado, o apadrinhado do ex-deputado Ezequiel Teixeira também foi escolhido para chefiar o grupo que está responsável por acompanhar o modelo de gestão do Maracanã nos próximos anos.

O estádio é administrado atualmente por Flamengo e Fluminense por uma cessão temporária. Mas a intenção do governo era fazer ainda este ano uma licitação para a concessão por 20 anos.

Parceria antiga com pastor

Cassio Barreiros acompanha Ezequiel Teixeira desde sua primeira eleição para deputado federal, em 2014, quando o pastor obteve a cadeira de parlamentar, com 35.701 votos pelo Solidariedade. Naquela ocasião, o advogado fez duas doações em espécie para a campanha, num total de R$ 11 mil.

Entre dezembro de 2015 e fevereiro de 2016, Barreiros esteve nomeado como subsecretário Executivo de Direitos Humanos quando quem comandava a pasta no governo de Luiz Fernando Pezão era o pastor Ezequiel Teixeira. Em três meses no cargo, o fundador da Igreja Projeto Vida Nova esvaziou o programa Rio Sem Homofobia e fechou quatro centros de assistência à população LGBTQI+.

Nas eleições do ano passado, o advogado doou R$ 7,1 mil para a campanha de Ezequiel Teixeira. Fora o próprio pastor, que doou para si mesmo R$ 146 mil, Barreiros foi a pessoa física que mais colaborou com recursos para a candidatura. Com 23.646 votos, porém, o deputado federal não conseguiu a reeleição pelo Podemos.

Durante a campanha de Witzel ao governo estadual, Ezequiel Teixeira esteve em algumas agendas. O próprio ex-juiz federal compartilhou em sua página no Twitter, em 25 de outubro do ano passado, um vídeo em que o amigo pastor declara seu apoio dizendo que o “dr. Wilson está alinhado com os princípios e valores bíblicos”.

*Foto em destaque: Fachada da sede da Cedae

Deixe uma resposta