Dono de agência usada por publicitário do Flamengo está preso por porte de arma e receptação

Eram pouco mais de 21h de 16 de maio de 2018 quando a “casa caiu” para Gabriel Trindade Silva. O jovem, então com 25 anos, foi preso em flagrante por dois policiais militares, na esquina das ruas São Francisco Xavier com General Canabarro, na região da Grande Tijuca, no Rio. Ele dirigia uma moto roubada dias antes. Na garupa, estava um comparsa armado com um revólver calibre 38 de numeração raspada.

À Justiça, Gabriel não negou estar dirigindo o veículo roubado, sem placa, no momento da abordagem dos PMs. Disse que levaria a moto a um traficante do Morro do Turano, em troca de uma recompensa de R$ 300. Sua prisão em flagrante foi convertida em preventiva. Até que, em 1º de outubro, ele foi condenado a quatro anos de reclusão. Além de receptação, o juiz do caso entendeu que o rapaz também era culpado por estar ciente do porte de arma do comparsa. Até hoje, Gabriel está na cadeia.

O sócio milionário

A história de Gabriel seria apenas mais uma numa cidade acostumada com uma rotina de violência como o Rio de Janeiro. Não fosse um detalhe: quatro meses antes de ser preso no meio de um serviço fora da lei, para o qual disse que ganharia apenas R$ 300, o jovem participou de uma negociação milionária.

Documentos levantados pelo blog na Junta Comercial do Rio (clique para ver a íntegra) revelam que, no dia 19 de janeiro de 2018, Gabriel Trindade Silva assinou um documento informando a compra de 80% da sociedade da empresa FSA Comunicação LTDA. O valor? Nada menos do que R$ 1,2 milhão.

A FSA Comunicação é o nome real da empresa conhecida com o nome fantasia de X-Tudo Comunicação Completa, uma agência de publicidade fundada em 2011. Ao mercado, quem se apresenta como seu principal representante e diretor é o publicitário Marcelo Gorodicht, o Gorô. Porém, no papel, ele não aparece como sócio.

Até hoje, mesmo preso, é Gabriel Trindade Silva quem continua oficialmente, segundo registro do site da Receita Federal, sendo não só o sócio majoritário, como também o administrador da empresa. Cabe a ele, por exemplo, “a responsabilidade ou representação ativa ou passiva da sociedade judicial e extrajudicialmente”.

A volta por cima de Gorô

Mas quem é Gorô? E a X-Tudo? Com quase 40 anos de carreira, Marcelo Gorodicht, de 57 anos, é bastante conhecido no meio em que atua. Em dezembro passado, o site Janela Publicitária, onde ele é figura constante, fez um longo perfil, em que o profissional fala de altos e baixos em sua carreira. Relembra os tempos de “garanhão”, na década de 1990, até o fracasso, no início dos anos 2000, época em que ficou “com milhares de acertos trabalhistas para fazer e sem perspectiva”.

Foi então que, em 2011, com a ajuda do irmão e empresário Bruno Gorodicht, Marcelo lançou a X-Tudo Comunicação, nome fantasia da FSA Comunicação. Desde então, mostra-se para o mercado como um profissional bem-sucedido, que deu a volta por cima, conquistando uma boa gama de clientes, principalmente shopping-centers.

Fim de festa na favela

O nome X-Tudo Comunicação e o de Gorô ganharam mais projeção fora do meio publicitário com o aumento de sua aproximação com o Flamengo, seu time de coração. No ano passado, ele fez a divulgação da campanha do candidato Rodolfo Landim à presidência. Com a vitória, assumiu o conteúdo das redes sociais do clube e também produz peças publicitárias.

Apesar de Gorodicht se gabar de um crescimento de seguidores nas redes do Flamengo, a X-Tudo causou indignação no mês passado após o jornal Extra ter publicado que a empresa teria barrado a tradicional expressão “festa na favela” das redes sociais do clube. Em uma nota polêmica, o Flamengo rebateu o conteúdo da reportagem. Com a repercussão negativa, a hashtag voltou a ser usada na comemoração do título do Rubro-Negro no Campeonato Estadual.

Uma salada de X-Tudo

Procurado pelo blog, o Flamengo negou qualquer relação com a empresa FSA Comunicação, conhecida como X-Tudo Comunicação Completa, cujo sócio-majoritário é Gabriel Trindade Silva, atualmente preso. Também disse que a campanha de Rodolfo Landim não foi realizada pela FSA.

Para entender a explicação do clube, é preciso um adendo. A única empresa que o blog localizou com o nome fantasia de X-Tudo Comunicação Completa aberta até setembro de 2018 foi a FSA Comunicação. Isso mudou no dia 6 daquele mês, quando foi registrada na Receita Federal a agência M2FA Comunicação. Em janeiro deste ano, foi criada ainda a FAM2 Produções Gráficas e Fotografia. Estas últimas duas firmas têm como sócios os executivos Francisco Cantanheide, Milton Pedrosa e Ricardo Aquino, que já trabalham com Gorodicht há algum tempo.

Ou seja, há atualmente três X-Tudo no mercado, com nomes fantasia idênticos. E, apesar de Marcelo Gorodicht ter publicado em sua página no Facebook que já trabalhava na campanha de Landim em agosto, a M2FA, aberta oficialmente em 6 de setembro, é a empresa que o Flamengo afirma ter feito a divulgação do candidato eleito e a que trabalha no clube. O contrato atual relativo a redes sociais e publicidade não foi submetido ao conselho deliberativo do Rubro-Negro.

Marcelo Gorodicht (segundo da esquerda para a direita) em campanha com Rodolfo Landim (terceiro da esquerda para a direita) / Reprodução / Facebook

Nesta sopa de letrinhas, em momento algum, apesar de se apresentar como diretor-executivo da X-Tudo Comunicação, Marcelo Gorodicht aparece oficialmente como sócio seja da FSA ou da M2FA. Ricardo Aquino, sócio e um dos diretores da M2FA, afirmou por e-mail:

“Marcelo é profissional autônomo detentor da marca ‘X-Tudo Comunicação Completa’, atuando como diretor-executivo da agência, sendo parte do seu contrato a vinculação da sua imagem à agência, além da permissão do uso de sua marca”.

Dívida com a União

Não ser formalmente sócio de nenhuma empresa ajuda Goroditch a escapar de eventuais problemas na Justiça. A FSA Comunicação, criada em 2011 e que tem atualmente o preso Gabriel Trindade Silva como sócio majoritário e administrador, por exemplo, tem R$ 1,187 milhão inscrito na Dívida Ativa da União, de acordo informações levantadas no site da Procuradoria Geral da Fazenda Nacional (PGFN).

A página de Marcelo Gorodicht no Linkedin: diretor-executivo e, mais abaixo, sócio da X-Tudo Comunicação desde 2011 / Reprodução

Gabriel também é sócio e administrador de uma empresa chamada X-Tudo Produções Gráficas e Fotografia, criada em 2012, com capital social de R$ 10 mil. Essa firma tem uma dívida com a União de R$ 112 mil. Tanto na FSA quanto na X-Tudo Produções Gráficas o jovem preso tem como outro sócio no papel João Maurício Dias dos Santos, que não foi localizado pelo blog.

As pendências trabalhistas

Nem sempre, porém, Gorodicht está livre de acertar as contas na Justiça. O blog teve acesso a um processo conhecido na Justiça do Trabalho como execução de certidão de crédito fiscal, que traz diversos questionamentos em relação à conduta empresarial do publicitário.

Em 2006, uma ex-funcionária da MG Comunicação – agência que Gorodicht dirigiu no passado e que chegou a ter uma firma do Grupo Facility do foragido Rei Arthur como parceira – conseguiu ganhar uma ação trabalhista contra a empresa. Como não foram localizados recursos para arcar com a dívida, passaram-se mais de dez anos sem que ela recebesse nada.

Vendo que o publicitário aparecia na imprensa como alguém bem-sucedido, com os negócios de vento em popa, a advogada da ex-funcionária entrou, em 2017, com a execução do crédito fiscal. Ou seja, queria o dinheiro que ficou pendente em 2006.

Em quase dois anos, este processo se desenrolou numa caça de gato e rato em busca de Gorodicht e da empresa FSA Comunicação. Entre as centenas de paginas da ação, há decisões duras contra o publicitário:

Em 23 de outubro do ano passado, o juiz substituto Eduardo Mussi Dietrich Filho acrescentou:

“Para não ser executada, a reclamada (FSA Comunicação) alega que as informações que presta aos seus clientes, parceiros e consumidores em potencial são mentirosas, já que seu site não possui informações verídicas. Foge completamente da razoabilidade tal tese defensiva”.

Em 15 de fevereiro de 2019, a juíza Claudia Marcia de Carvalho Soares, da 28ª Vara do Trabalho, publicou uma decisão de conteúdo ainda mais duro, cujo trecho o blog destaca abaixo:

Após muitas idas e vindas, no dia 29 de abril, a ex-funcionária e Marcelo Gorodicht chegaram a um acordo de conciliação, para o pagamento de cerca de R$ 80 mil em parcelas.

Há ainda uma curiosidade relativa a Gorodicht neste processo. Em março, ao iniciar as tratativas para o fechamento do acordo, num documento onde a grafia do nome de Marcelo e da empresa FSA estão escritos de forma errada, o advogado do publicitário chega a dizer que ele é sócio da empresa, algo que vinha sendo categoricamente negado. Lembrando, a FSA tem como principal sócio nos registros oficiais o jovem preso Gabriel Trindade Silva.

A venda da empresa

Na história envolvendo a X-Tudo Comunicação, ainda há mais um personagem a ser contado: Bruno Gorovicht, irmão de Marcelo.

Foi ele que, em 2011, ajudou o irmão a fundar a agência, sendo o principal responsável pelas finanças da firma. Em 19 de janeiro do ano passado, o empresário informou à Junta Comercial ter vendido toda a sua participação na X-Tudo, nome fantasia da FSA Comunicação.

O comprador das cotas de Bruno, por R$ 376 mil, foi Gabriel Trindade Silva. O jovem também informou à Junta ter adquirido, por R$ 264 mil, as cotas de outro sócio que se retirava da firma, Alexandre Kantif de Macedo. Para Gabriel chegar a R$ 1,2 milhão em cotas, o capital social da empresa foi aumentado. O equivalente a R$ 300 mil ficou com José Maurício Dias dos Santos, totalizando R$ 1,5 milhão.

Em janeiro de 2018, época em que assinou a compra das cotas na empresa, Gabriel já tinha problemas com a Justiça. No dia 8 daquele mês, ele foi condenado a 5 meses e 20 dias de detenção por ameaçar e ter tentado invadir a casa de uma ex-companheira, com quem tem um filho pequeno. A pena, porém, foi revertida em cumprimento de medidas como a participação em um grupo de reflexão para homens.

À Justiça, neste processo, pouco antes de comprar R$ 1,2 milhão em cotas da FSA, Gabriel informou que era estudante e sem emprego fixo.

Quatro restaurantes Espetto Carioca

Além de ser dono no papel da FSA Comunicação, Gabriel Trindade Silva também é, segundo registros na Receita Federal, sócio de quatro restaurantes da rede Espetto Carioca, no Recreio dos Bandeirantes, Centro e em Madureira. A unidade do Recreio, por exemplo, tem na Dívida Ativa da União R$ 948 mil.

E o fundador da rede Espetto Carioca é Bruno Gorovicht, que tem em seu nome duas empresas de administração das franquias da marca.

Ao blog, André Piazza, gerente de marketing da rede de restaurantes, afirmou que as quatro unidades citadas “não têm relação” com Bruno.

Questionado também sobre a venda da FSA Comunicação a um jovem estudante que aparenta não ter condições financeiras, o representante de Bruno informou que houve “um movimento de venda sobre uma oferta da empresa na época e que teve um comprador para esta oferta”.

Perguntado sobre a relação atual de Bruno com a X-Tudo, o representante disse que “há mais de um ano, Bruno não tem relação com a empresa citada”.

No processo trabalhista em que a FSA Comunicação e Marcelo Gorodicht foram citados, há um documento assinado por Bruno em março de 2018 dizendo ser sócio da empresa. A venda de suas cotas para Gabriel Trindade Silva tinha ocorrido, porém, em janeiro daquele ano.

O blog entrou em contato ainda com a advogada criminalista de Gabriel Trindade Silva, Cristiane Arigoni, para saber se ele tinha condições financeiras para conduzir os negócios que envolveram seu nome, mas ela não quis comentar o caso. O espaço segue aberto para qualquer manifestação adicional.

Também foram encaminhadas na noite de segunda-feira, por e-mail, diversas perguntas a Marcelo Gorodicht sobre a sua relação com Gabriel Trindade Silva e também sobre as empresas que utilizam o nome X-Tudo Comunicação. Não houve retorno até a manhã desta quarta (8).

*Foto em destaque: O logotipo da X-Tudo Comunicação Completa / Reprodução / Faecebook

3 comentários

  1. Amigo, só duas correções: 1. São Francisco Xavier é Rua, não “Avenida”; 2. O trecho em frente à Rua General Canabarro fica no bairro da Tijuca e não na “região da Grande Tijuca”. Abraço

    1. Corrigido quanto à São Francisco Xavier. Sou tijucano de pouco tempo, admito. Quanto ao Grande Tijuca, fiquei na dúvida porque achei que poderia ser Maracanã, então optei pela região.

Deixe uma resposta