Deputado que rasgou placa de Marielle quer teste de uso de maconha nas universidades do Rio

Conhecido pelo episódio em que rasgou a placa em homenagem à vereadora Marielle Franco, durante a campanha eleitoral do ano passado, o deputado estadual Rodrigo Amorim (PSL) apresentou um projeto de lei na Alerj, em que pretende submeter alunos e professores das universidades estaduais do Rio a testes toxicológicos.

O texto do projeto, que ainda tem que passar pela análise das comissões da Casa antes de ir a plenário, prevê que três estudantes por turma seriam sorteados a cada semestre para passar pelo teste. O mesmo teria que ocorrer com um professor, no universo de todo o corpo docente.

O teste teria que verificar se houve consumo de maconha, cocaína ou anfetamina nos últimos seis meses. Caso dê positivo, o estudante perderia automaticamente a sua vaga na instituição. O mesmo valeria para o professor.

PM no campus

O projeto de Rodrigo Amorim ainda pretende autorizar a entrada de policiais militares nos campi das universidades para averiguar o uso de drogas. Caso alguém fosse flagrado, também haveria a punição de suspensão de matrícula.

Em sua justificativa, Amorim alega que “cada vez mais tem aumentado a incidência de professores entre os usuários de drogas, muitas vezes até nos mesmos grupos que os alunos. O que faz com que os resultados esperados no desenvolvimento, tanto do aluno quanto da universidade, tenham caído vertiginosamente”.

O deputado conclui:

“O projeto quer coibir o uso de drogas ilícitas dentro dos campi das universidades para garantir os melhores resultados acadêmicos e restaurar a ordem dentro de locais que foram dominados pela posição político-ideológica da esquerda, exterminando o uso e a comercialização de drogas dentro desses locais”.

*Foto em destaque: Deputado Rodrigo Amorim em Comissão na Alerj / Foto: Divulgação/Thiago Lontra/Alerj

Um comentário

Deixe uma resposta