Prefeitura do Rio volta no tempo em nomeações

Prefeitura volta no tempo e nomeia agora ‘funcionários fantasmas às avessas’

Uma emenda que parece pior do que o soneto foi a saída encontrada pela prefeitura do Rio para regularizar a situação dos “funcionários fantasmas às avessas”, mostrada nesta quinta (13) pelo blog. Eduardo de Lira, Admilson Nunes da Costa e Luiz Fernando Vieira de Andrade, que apareciam em fotos de redes sociais até com colete do município sem ter cargo, foram nomeados só agora. A publicação em Diário Oficial saiu no mesmo dia em que foi publicada a reportagem, e foi retroativa.

Mas a atitude da prefeitura, de voltar no tempo, deixa a história ainda mais confusa. De acordo com as resoluções publicadas pela Secretaria municipal da Casa Civil, Luiz Fernando e Admilson foram nomeados com data de validade a partir de 1º de janeiro deste ano. Os cargos são na Secretaria de Envelhecimento Saudável, Qualidade de Vida e Eventos e na Fundação Parques e Jardins, respectivamente.

A questão é que os dois também estavam oficialmente desde março do ano passado no estado, recebendo R$ 5 mil mensais. Atualmente, têm cargo na Secretaria estadual de Governo, para atuar no projeto Comunidade Cidade. A pasta informou que a dupla será exonerada até esta sexta, com data retroativa a 1º de fevereiro. Ou seja, restaria ainda o mês de janeiro com os funcionários lotados ao mesmo tempo em dois cargos públicos diferentes comissionados.

A Secretaria de Governo informou que está estudando a abertura de uma sindicância para saber se Admilson e Luiz Fernando efetivamente trabalharam no estado em janeiro. Caso seja comprovado que não, eles teriam que devolver os salários do mês.

Do jet-ski para a Saúde

O outro caso também chama a atenção. Depois de ter sido exonerado da prefeitura, em julho do ano passado, após a divulgação de fotos em que aparece pilotando um jet-ski e bebendo cerveja, Eduardo de Lira passou a atuar nos últimos tempos como se fosse funcionário sem ter cargo.

Nesta quinta, no dia da publicação da reportagem, ele foi então nomeado no município com data retroativa a 1º de fevereiro para uma função de assessor especial com um bom salário na Secretaria municipal de Saúde. O DAS-10B dá direito a uma remuneração de cerca de R$ 10,5 mil mensais.

Quando foi exonerado em julho, após a divulgação das fotos, Eduardo ganhava cerca de R$ 7,5 mil para atuar como administrador regional da Cidade de Deus. Ou seja, agora seria o que se chama de “cair para cima”.

Nesta quarta, a prefeitura havia informado que Eduardo vinha trabalhando para a ONG Instituto Crescer com Meta, que administra a Vila Olímpica do Encantado, na Zona Norte. A entidade recebe cerca de R$ 1,5 milhão por ano para gerir o espaço para o município.

A prefeitura também havia dito que o ex-administrador regional vinha atuando como voluntário em eventos de pré-carnaval e que seria advertido pelo uso indevido de colete.

Apadrinhados de vereador

Os três funcionários envolvidos na confusão de nomeações são apadrinhados do vereador licenciado e atual secretário de Envelhecimento Saudável, Qualidade de Vida e Eventos da prefeitura do Rio, Felipe Michel.

Nas imagens que foram divulgadas em redes sociais, eles aparecem ao lado do secretário ou em eventos coordenados pela pasta sem que tivessem oficialmente nomeados para qualquer cargo.

Felipe Michel entrou para o Executivo municipal em julho do ano passado, logo após votar contra o impeachment do prefeito Marcelo Crivella na Câmara. Voltou para o Legislativo entre outubro e dezembro, mas agora comanda novamente a pasta que é a grande responsável pela coordenação de eventos na cidade, incluindo blocos de carnaval.

Seu primo Rodrigo Michel tem, segundo a própria prefeitura, um cargo de administrador na Vila Olímpica do Encantado, contratado através da ONG Instituto Crescer com Meta.

*Foto em destaque: Logotipo do filme De Volta para o Futuro / Wikipedia

Deixe uma resposta