Governo Witzel tira R$ 5 milhões da polícia para campanha que elogia política de segurança

O governo do Estado do Rio transferiu R$ 5 milhões dos orçamentos das polícias Civil e Militar para a realização de uma campanha de publicidade que exalta a política de segurança da gestão de Wilson Witzel. Os créditos (R$ 2,5 milhões de cada órgão) foram repassados para a Subsecretaria de Comunicação Social através de resoluções publicadas em 28 de agosto no Diário Oficial. Este fim de semana, um vídeo já começou a ser veiculado na TV – neste domingo, no intervalo do Fantástico, por exemplo – e na internet.

A campanha recebeu o nome de “Virando o Jogo na Segurança”, uma referência ao slogan “Virando o Jogo”, que vem sendo usado por Witzel desde o início de sua gestão. Foi criado um site que até esta segunda (2) tinha o vídeo que vem sendo exibido na TV e duas reportagens. Uma fala que a Polícia Civil recuperou R$ 15 milhões do crime organizado; a outra ressalta a queda no índice de mortes violentas no estado.

Para completar, o site traz um texto com o título em caixa alta “O Rio precisava de uma virada. Uma virada na confiança. Uma virada no astral”. E ressalta: “A Política de Segurança apresenta resultados positivos, o que nos dá a certeza de que estamos no caminho certo. Vamos continuar trabalhando muito. Pro desânimo virar esperança. Pro medo virar confiança. E pro baixo astral virar alegria”.

Regime restringe publicidade

Na justificativa para a transferência dos R$ 5 milhões das polícias para a Subsecretaria de Comunicação, o estado diz que o dinheiro seria aplicado em “serviços de publicidade e propaganda de utilidade pública” de interesse dos órgãos.

E isso não aconteceu à toa. O Regime de Recuperação Fiscal, ao qual o Estado do Rio aderiu, tem um item que veta exatamente novos empenhos ou contratação de despesas com publicidade. Mas há uma exceção: gastos que tenham como objetivo “utilidade pública em áreas como saúde, educação no trânsito e segurança, entre outros”.

Ou seja, enquadrando a despesa como utilidade pública, o estado dribla a norma que restringe os gastos com publicidade.

Elogios de personagens

Mas, ao menos pelo primeiro vídeo que vem sendo divulgado, o destaque ficou mesmo para a divulgação de informações positivas sobre a política de segurança do atual governo. As cinco pessoas que aparecem na peça publicitária fazem elogios.

“Hoje, eu consigo ficar até mais tarde aberto. Consigo oferecer mais conforto para os meus clientes e mais segurança”, diz a comerciante Maria Luciene da Silva.

Após a declaração, ela serve clientes no restaurante com um carro da PM passando ao fundo.

“Tenho certeza que o Rio de Janeiro vai dar essa virada na segurança”, afirma uma outra jovem que não foi identificada, após tirar uma selfie na orla com policiais do programa Segurança Presente ao fundo.

Só números positivos

Os dados destacados na campanha do governo falam sobre 5 mil apreensões de armas e quedas nos índices de homicídios (menor número em quase 30 anos) e de roubo de veículos.

O Instituto de Segurança Pública (ISP) mostra que realmente, entre janeiro e julho deste ano, houve uma diminuição de 22,9% no número de homicídios em relação ao mesmo período do ano passado. O índice, porém, segue uma tendência nacional de redução de mortes violentas.

Os roubos de veículos também apresentaram queda na comparação com o ano passado (-22,4% ou 7.713 casos a menos).

#issoovídeonãomostra

Os efeitos da estratégia de confronto, lado que vem sendo mais questionado da política de segurança de Wilson Witzel, obviamente não fizeram parte da campanha publicitária.

No mês passado, por exemplo, reportagem de Sérgio Ramalho no UOL mostrou que houve 881 mortes em operações policiais no primeiro semestre deste ano – maior número em 17 anos. E que nenhuma delas ocorreu em áreas de milícia.

Os casos de pessoas atingidas por balas perdidas continuam a fazer parte do cotidiano do estado. E isso não deve mudar. No mês passado, mesmo após a morte de seis inocentes, o secretário estadual de Governo, Cleiton Rodrigues defendeu a atual política e disse:

“O governador e o governo do estado lamentam profundamente todas essas mortes. Essas e todas as outras que possam acontecer. Nós estamos todos os dias trabalhando para que elas não aconteçam”.

Também há índices que afetam diretamente o cotidiano da população que estão em alta. É o caso de roubo de celulares (+7,9% ou 1.204 ocorrências) e roubo em coletivos (+11,1% ou 992).

“Disponibilidade orçamentária”

Para fazer a sua campanha publicitária se enquadrar como utilidade pública, o governo basicamente usou detalhes do vídeo como a divulgação, em texto, dos telefones da Polícia Civil, da PM e do Disque-Denúncia.

Em nota, a assessoria de imprensa de Witzel também destacou que “havia disponibilidade orçamentária em ambas as secretarias (Polícia Civil e PM)”. Traduzindo, havia dinheiro sobrando.

Confira a íntegra do que disse o governo:

“Trata-se de publicidade de utilidade pública, uma vez que se destina a divulgar tema de interesse social e apresenta canais de comunicação (telefones da Polícia Civil, Polícia Militar, Disque-Denúncia e o hotsite https://virandoojogonaseguranca.rj.gov.br/), com o objetivo de informar, orientar, prevenir e alertar a população para a adoção de comportamento que trará benefícios individuais e/ou coletivos.

A descentralização dos recursos das Secretarias de Estado de Polícia Militar e de Polícia Civil para investimento em serviço de publicidade e propaganda seguiu rigorosamente os trâmites legais e os princípios da utilidade pública. Havia disponibilidade orçamentária em ambas as secretarias, sem acarretar prejuízos às ações operacionais em curso e planejadas para este ano”.

Aditivo para agência

A campanha publicitária ficou a cargo da Agência Nacional de Propaganda, empresa que foi contratada ainda na gestão de Luiz Fernando Pezão, mas foi contemplada por um termo aditivo em março deste ano para atuar por demanda no governo Witzel.

Em entrevista ao site Janela Publicitária, o subsecretário de Comunicação Social Gabriel Aquino destacou a ideia da campanha:

“Estamos mostrando pessoas reais no filme, para a população se sentir integrada ao processo de ordenação da casa”.

Além das polícias Civil e Militar, o Detran também já repassou este ano R$ 7 milhões para a Subsecretaria de Comunicação Social para serviços de “assessoria de imprensa e relações públicas de interesse do órgão”.

Foto em destaque: Imagem do vídeo da campanha “Virando o Jogo na Segurança” / Reprodução / Youtube

Um comentário

  1. Também essa maldita Polícia tirou dinheiro para contratar por quase 300 mil empresa que até pouco tempo (mês anterior) atuava como agência de viagens e agora (com o ex-secretário de Itaboraí como diretor) passou a atuar no ramo de transporte escolar de alunos de Colégio Militar…

Deixe uma resposta